cadeia de suprimentos lean

O tema de hoje é a integração entre a cadeia de suprimentos e o processo de planejamento e controle da produção (PCP).

A cadeia de suprimentos de uma construtora tem que estar conectada ao seu processo produtivo, ou seja, ela precisa atender as obras conforme o planejado.

Se essa conexão não for bem feita, problemas graves como, por exemplo, paralisação da produção, atraso na entrega da obra, aumento do custo previsto e, como consequência, insatisfação do cliente, podem acontecer muito provavelmente.

A questão é: como fazer essa integração?

Bom, primeiramente, é prudente destacar, logo no início do texto, que gestão da cadeia de suprimentos é um tema vasto e abrangente que possui vários ângulos de análise. Nesse post, abordo, especificamente, como integrar a gestão dos recursos necessários para a execução da obra com o processo de PCP.

Quando falo em PCP Lean, me refiro ao Sistema Last Planner™ (SLP). Esse é um sistema de PCP hierárquico e colaborativo que visa produzir um fluxo de trabalho confiável na obra, estabilização do projeto e melhoria contínua.
Para lidar com a complexidade e incerteza inerente ao ambiente da construção civil, o SLP é dividido em níveis de planejamento (longo, fase, médio e curto prazo) onde cada nível possui seus objetivos específicos.

Para facilitar a conexão entre a gestão de suprimentos e o processo de PCP, recomendo classificar os recursos em categorias conforme apresentado em Bernardes (2001):

Recursos Classe 1 (C1)

◉ Longo ciclo de aquisição e baixa repetitividade
◉ Comprados a partir do planejamento de longo prazo
◉ Lote de compra, em geral, corresponde à quantidade total
◉ Exemplos: elevador, esquadrias, louças

Recursos Classe 2 (C2)

◉ Ciclo de aquisição médio e repetição frequente
◉ Comprados a partir do planejamento de médio prazo
◉ Lote de compra, em geral, são frações da quantidade total
◉ Exemplos: madeira, tijolos, tubos PVC

Recursos Classe 3 (C3)

◉ Ciclo de aquisição curto e se repetem muito ao longo da obra
◉ De uso corrente, comprados a partir do controle dos estoques (reposição)
◉ Exemplos: cimento, areia, brita

A gestão dos recursos precisa se conectar aos diferentes níveis de planejamento. Por exemplo, no planejamento de longo de prazo devemos analisar os recursos C1 enquanto os C2 são gerenciados no nível de médio prazo.

Um ponto importantíssimo nesse processo de integração é o conhecimento do lead time de cada insumo, isto é, o tempo entre o início do processo de aquisição do recurso e a sua entrega na obra. Tenho notado empresas com dados desatualizados e, portanto, não confiáveis. Por isso, entenda bem esse processo e tenha atenção nesse ponto!

Recomendo também que montem o seu cronograma de compras estratégicas assim que estiverem com o planejamento de longo prazo pronto. A programação dos recursos C1 tem que estar baseada no cronograma macro da obra. Não se esqueça disso!

Para refletirPARA REFLETIR
Observe na empresa em que você trabalha se a gestão de suprimentos está integrada ao processo produtivo e como isso é feito. Tenho certeza que essa análise será útil de alguma maneira!

E aí, gostou? Escreva nos comentários! O seu feedback é super importante para a melhoria contínua do conteúdo.

Se você gostou desse post, peço, por gentileza, que compartilhe o link com amigos e colegas de trabalho que possam ter interesse nos temas abordados.

Vamos juntos transformar a construção civil por meio da Lean Construction!

Abraço e até a próxima semana!

Sergio Kemmer

Aprenda Lean Com Quem Entende Do Assunto

Entre na lista de espera para os próximos cursos da SK